Tag Archives: Viviane Gonçalves

Quanta ousadia!

Publicado originalmente no blog Mesa ou Balcão?, da revista ALFA.

Em dezembro, o pequeno restaurante Chef Vivi abriu as portas sem muito alarde na rua Girassol, na Vila Madalena. A simpática casa, com muita luz natural e uma bonita cozinha envidraçada ao fundo, é o primeiro restaurante da chef Viviane Gonçalves em São Paulo.

Isso não quer dizer que lhe falte experiência. Ela cozinhou por muito tempo longe daqui. Foram dez anos tocando fogões na Inglaterra e na China. Lá em Pequim, comandava o restaurante Alameda, premiado pela imprensa local como um dos melhores da cidade.

Mas São Paulo não é Pequim. O nosso selvagem e impiedoso cenário gastronômico pode estranhar certas ousadias:

1. Cardápio que muda todo dia pode incomodar por aqui. No Chef Vivi, o menu varia de acordo com os produtos mais frescos do dia. Mas como fica a vontade do povo que quer comer a mesma coisa o ano todo? Não vai ter jabuticaba em julho? E como dar uma de entendido pro amigo, recomendando tal prato “pra comer de joelhos”?

2. Maxixe não é comida de restaurante chique. O Dalva e Dito até serve o dito-cujo, mas bem disfarçado no meio de outros vegetais. Que coragem servir a hortaliça crocante, quase crua – meu deus! –, junto de lulas supermacias e frescas (R$ 29,50).

3. Cogumelo eringue não é coisa de menu ocidental. Nunca tinha visto esse cogumelo gigante, supersuculento e delicioso em uma casa não japa. Muito menos com arroz vermelho al dente e queijo grana padano em lascas (R$ 31,50).

4. Talos de erva-doce praticamente crus – extremamente aromáticos e herbáceos – como acompanhamento da posta de peixe (R$ 49,50)?!?

Onde a chef Viviane Gonçalves quer chegar com todo esse disparate?

Não sei quanto a você, mas eu acho que o restaurante merece o posto de melhor novidade gastronômica de São Paulo. Há frescor em tudo: não somente nos ingredientes, mas também na manipulação dos produtos (vegetais cozidos rapidamente – coisa de chinês), na apresentação dos pratos (com muitos brotos e flores, mas sem cair na “cozinha de mulherzinha”), na harmonia das receitas com ingredientes inéditos.

Chef Vivi, seja bem-vinda à cidade!